Vida

O papel do Congresso na política externa dos EUA

O papel do Congresso na política externa dos EUA

Como em praticamente todas as decisões políticas do governo dos EUA, o poder executivo, incluindo o presidente e o Congresso, compartilham a responsabilidade no que é idealmente uma colaboração em questões de política externa.

O Congresso controla as regras da bolsa, por isso tem uma influência significativa sobre todos os tipos de questões federais - incluindo a política externa. O mais importante é o papel de supervisão desempenhado pelo Comitê de Relações Exteriores do Senado e pelo Comitê de Relações Exteriores da Câmara.

Comissões da Câmara e do Senado

O Comitê de Relações Exteriores do Senado tem um papel especial a desempenhar, porque o Senado deve aprovar todos os tratados e nomeações para publicações importantes em política externa e tomar decisões sobre legislação na arena da política externa. Um exemplo é o questionamento geralmente intenso de um candidato a secretário de Estado pelo Comitê de Relações Exteriores do Senado. Os membros desse comitê têm muita influência sobre como a política externa dos EUA é conduzida e quem representa os Estados Unidos em todo o mundo.

O Comitê de Relações Exteriores da Câmara tem menos autoridade, mas ainda desempenha um papel importante na aprovação do orçamento de assuntos externos e na investigação de como esse dinheiro é usado. Os membros do Senado e da Câmara costumam viajar para o exterior em missões de apuração de fatos para lugares considerados vitais para os interesses nacionais dos EUA.

Poderes de Guerra

Certamente, a autoridade mais importante dada ao Congresso em geral é o poder de declarar guerra e de levantar e apoiar as forças armadas. A autoridade é concedida no Artigo 1, Seção 8, Cláusula 11 da Constituição dos EUA.

Mas esse poder do congresso, concedido pela Constituição, sempre foi um ponto de tensão entre o Congresso e o papel constitucional do presidente como comandante em chefe das forças armadas. Chegou a um ponto de ebulição em 1973, na esteira dos distúrbios e divisões causados ​​pela Guerra do Vietnã, quando o Congresso aprovou a controversa Lei de Poderes de Guerra sobre o veto do Presidente Richard Nixon para resolver situações em que o envio de tropas americanas ao exterior poderia resultar em envolvimento eles em ação armada e como o presidente poderia realizar ação militar enquanto ainda mantinha o Congresso no circuito.

Desde a aprovação da Lei de Poderes de Guerra, os presidentes a consideram uma infração inconstitucional aos seus poderes executivos, relata a Biblioteca do Congresso, e ela permanece cercada de controvérsias.

Pressão

O Congresso, mais do que qualquer outra parte do governo federal, é o local em que interesses especiais procuram resolver seus problemas. E isso cria uma grande indústria de lobby e elaboração de políticas, grande parte focada em assuntos externos. Os americanos preocupados com Cuba, importações agrícolas, direitos humanos, mudanças climáticas globais, imigração, entre muitas outras questões, procuram membros da Câmara e do Senado para influenciar a legislação e as decisões orçamentárias.