Interessante

Por que a expedição de Lewis e Clark cruzou a América do Norte?

Por que a expedição de Lewis e Clark cruzou a América do Norte?

Meriwether Lewis e William Clark e o Corps of Discovery cruzaram o continente norte-americano de 1804 a 1806, viajando de St. Louis, Missouri, para o Oceano Pacífico e de volta.

Os exploradores mantiveram diários e desenharam mapas durante sua viagem, e suas observações aumentaram bastante as informações disponíveis sobre o continente norte-americano. Antes de atravessar o continente, havia teorias sobre o que havia no Ocidente, e a maioria fazia pouco sentido. Até o presidente da época, Thomas Jefferson, estava inclinado a acreditar em algumas lendas fantasiosas sobre as regiões misteriosas que nenhum americano branco tinha visto.

A jornada do Corpo de Descobertas foi um empreendimento cuidadosamente planejado do governo dos Estados Unidos, e não foi conduzida apenas por aventura. Então, por que Lewis e Clark fizeram sua jornada épica?

Na atmosfera política de 1804, o Presidente Thomas Jefferson ofereceu uma razão prática que garantiu que o Congresso apropriasse fundos para a expedição. Mas Jefferson também tinha várias outras razões, variando de puramente científico a um desejo de impedir que as nações europeias colonizassem a fronteira ocidental da América.

Primeira idéia para uma expedição

Thomas Jefferson, o homem que concebeu a expedição, estava interessado em ter homens atravessando o continente norte-americano já em 1792, quase uma década antes de se tornar presidente. Ele instou a Sociedade Filosófica Americana, com sede na Filadélfia, a financiar uma expedição para explorar os vastos espaços do Ocidente. Mas o plano não se concretizou.

No verão de 1802, Jefferson, que havia sido presidente por um ano, recebeu uma cópia de um livro fascinante escrito por Alexander MacKenzie, um explorador escocês que havia viajado pelo Canadá para o Oceano Pacífico e vice-versa.

Em sua casa em Monticello, Jefferson leu o relato de MacKenzie sobre suas viagens, compartilhando o livro com sua secretária pessoal, um jovem veterano do exército chamado Meriwether Lewis.

Os dois homens aparentemente fizeram a viagem de MacKenzie como um desafio. Jefferson decidiu que uma expedição americana também deveria explorar o noroeste.

A razão oficial: comércio e comércio

Jefferson acreditava que uma expedição ao Pacífico só poderia ser adequadamente financiada e patrocinada pelo governo dos EUA. Para obter os fundos do Congresso, Jefferson teve que apresentar uma razão prática para enviar exploradores para o deserto.

Também era importante estabelecer que a expedição não pretendia provocar guerra com as tribos indígenas encontradas no deserto ocidental. E também não estava pretendendo reivindicar território.

Prender animais por suas peles era um negócio lucrativo na época, e americanos como John Jacob Astor estavam construindo grandes fortunas com base no comércio de peles. E Jefferson sabia que os britânicos detinham um monopólio virtual do comércio de peles no noroeste.

E, como Jefferson sentiu que a Constituição dos EUA lhe dava o poder de promover o comércio, ele solicitou uma apropriação ao Congresso por esses motivos. A proposta era que os homens que explorassem o Noroeste procurassem oportunidades em que os americanos pudessem pegar armadilhas de peles ou trocar com índios amigos.

Jefferson solicitou uma apropriação de US $ 2.500 ao Congresso. Havia algum ceticismo expresso no Congresso, mas o dinheiro foi fornecido.

A expedição também foi para a ciência

Jefferson nomeou Meriwether Lewis, sua secretária pessoal, para comandar a expedição. Em Monticello, Jefferson estava ensinando a Lewis o que podia sobre ciência. Jefferson também enviou Lewis à Filadélfia para aulas particulares de amigos científicos de Jefferson, incluindo o Dr. Benjamin Rush.

Enquanto estava na Filadélfia, Lewis recebeu aulas particulares em vários outros assuntos que Jefferson achou que seria útil. Um notável inspetor, Andrew Ellicott, ensinou Lewis a fazer medições com sextante e octante. Lewis usaria os instrumentos de navegação para traçar e registrar suas posições geográficas durante a jornada.

Lewis também recebeu algumas aulas particulares na identificação de plantas, pois uma das tarefas atribuídas a ele por Jefferson seria registrar as árvores e plantas que cresciam no oeste. Da mesma forma, Lewis aprendeu alguma zoologia para ajudá-lo a descrever e classificar com precisão qualquer espécie de animal anteriormente desconhecida que circulava nas grandes planícies e montanhas do oeste.

A questão da conquista

Lewis escolheu seu ex-colega do exército dos EUA, William Clark, para ajudar a comandar a expedição por causa da reputação conhecida de Clark como combatente indiano. No entanto, Lewis também havia sido advertido a não se envolver em combate com índios, mas a se retirar se violentamente desafiado.

Pensou-se cuidadosamente no tamanho da expedição. Originalmente, pensava-se que um pequeno grupo de homens teria uma melhor chance de sucesso, mas eles poderiam ser muito vulneráveis ​​a índios potencialmente hostis. Temia-se que um grupo maior pudesse ser visto como provocador.

O Corpo de Descobertas, como seriam conhecidos os homens da expedição, consistia em 27 voluntários recrutados em postos avançados do Exército dos EUA ao longo do rio Ohio.

O envolvimento amigável com os índios era uma alta prioridade da expedição. Foi alocado dinheiro para "presentes indianos", que eram medalhas e itens úteis, como utensílios de cozinha que poderiam ser dados aos índios que os homens encontrariam no caminho para o oeste.

Lewis e Clark evitaram conflitos com índios. E uma mulher nativa americana, Sacagawea, viajou com a expedição como intérprete.

Embora a expedição nunca tivesse a intenção de iniciar assentamentos em nenhuma das áreas atravessadas, Jefferson sabia muito bem que navios de outras nações, incluindo a Grã-Bretanha e a Rússia, já haviam desembarcado no noroeste do Pacífico.

É provável que Jefferson e outros americanos da época possam temer que outras nações comecem a estabelecer a costa do Pacífico, assim como ingleses, holandeses e espanhóis estabeleceram a costa atlântica da América do Norte. Portanto, um objetivo não declarado da expedição era pesquisar a área e, assim, fornecer conhecimento que poderia ser útil para americanos posteriores que viajariam para o oeste.

A exploração da compra da Louisiana

Costuma-se dizer que o objetivo da expedição de Lewis e Clark era explorar a compra da Louisiana, a vasta compra de terras que dobrou o tamanho dos Estados Unidos. De fato, a expedição havia sido planejada e Jefferson pretendia prosseguir antes que os Estados Unidos tivessem qualquer expectativa de comprar terras da França.

Jefferson e Meriwether Lewis estavam planejando ativamente a expedição em 1802 e no início de 1803, e a palavra que Napoleão desejava vender as participações da França na América do Norte não chegou aos Estados Unidos até julho de 1803.

Jefferson escreveu na época que a expedição planejada seria agora ainda mais útil, pois forneceria um levantamento de algumas das novas áreas agora pertencentes aos Estados Unidos. Mas a expedição não foi originalmente concebida como uma maneira de pesquisar a compra da Louisiana.

Resultados da Expedição

A expedição de Lewis e Clark foi considerada um grande sucesso e cumpriu seu objetivo oficial, pois ajudou a promover o comércio de peles americano.

E também alcançou os outros objetivos, principalmente aumentando o conhecimento científico e fornecendo mapas mais confiáveis. E a Expedição Lewis e Clark também fortaleceu uma reivindicação dos Estados Unidos ao Território do Oregon, de modo que a expedição acabou levando à colonização do oeste.